quinta-feira, 14 de julho de 2016

Eu sou assim.

Ela é de capricórnio e eu só preciso te advertir que apesar do que possam falar e do que digam os horóscopos de revistas de fofoca, ela tem sim Coração. E ele é grande, toma conta do corpo quase todo. Ela é toda coração, ela só não expõe numa vitrine pra todo mundo ficar olhando. Ela gosta de saber onde tá pisando e ainda assim tem sempre um pé atrás ou dois. Ela já se machucou e as feridas que demoraram a cicatrizar, ela trata com respeito. Não permite que ninguém fique futucando, tirando casquinha ou remexendo na sua dor, mas se algum dia você se mostrar de verdade e ela te enxergar e vir sinceridade em você, ela vai se mostrar e se entregar por inteiro.

Ela gosta de ter tudo planejado na sua cabeça, embora nem sempre – ou quase nunca – siga seus planos. Ela dá valor aos seus objetivos e geralmente vai até o fim pra conseguir o que quer. Ela é independente e dá valor a isso. Por isso não diga que é ganância quando ela exigir ser recompensada pelo seu trabalho duro e quando ela der valor a tudo o que construiu. Ela pode parecer fria como gelo. É uma imagem comum que se faz dela. Mas no fundo e por dentro ela é quente e arde. Ela arde de prazer pelas coisas que ama, pelos sonhos que tem, pelas coisas que deseja conquistar. Ela é quente que nem o seu abraço mais verdadeiro e como o seu beijo mais apaixonado.

Ela é apaixonante e isso te apavora, eu sei. Ela também tem medo de se deixar apaixonar, mas quando descobre o amor próprio, ninguém é capaz de amá-la mais do que ela mesma! E como isso é bonito sobre ela. Esse é só mais mistério que ela tem. Mas no fundo, é lógica como um jogo de xadrez, onde se tem que analisar todas as probabilidades antes de avançar. No amor também age como no jogo, então se ela se entregou é porque acredita.

Ela se entrega às causas que acredita e se põe no lugar do outro como ninguém. Ela é tão intensa quando se trata de emoções, cara. Ela chora com músicas melancólicas e ri de piadas sem graça. Ela se comove com filmes que não são tão óbvios e até com comercial de dia dos pais na TV. Ela dá valor às relações, independente da duração. Pra ela o que vale é a intensidade, porque é isso que ela é. Quando ela sente, sente mais do que qualquer um no mundo, para o bem e para o mal.

Quando sorri, o mundo se ilumina. Quando fica triste, se fecha. Mas, ela não precisa necessariamente estar triste para se voltar pra si mesma e querer ficar sozinha. As vezes é só um momento. E quando ela quiser estar só, deixa ela. Ela vai se fechar por um tempo, ficar mais calada, pensar mais, agir menos, porque é isso que ela faz. Mas fica tranquilo, ela volta e volta ainda melhor.
(Carol Nepomuceno)


Beijos,
Rosangela Lessa.

Lembranças de uma infância feliz

Hoje em dia parece que a palavra infância virou sinônimo de um tempo antigo, como se virasse quase uma lenda! Poucas são as crianças qu...