sábado, 22 de janeiro de 2011

Ser Chique

Nunca o termo "chique" foi tão usado para qualificar pessoas como nos dias de hoje.




A verdade é que ninguém é chique por decreto. E algumas boas coisas da vida, infelizmente, não estão à venda. Elegância é uma delas.



Assim, para ser chique é preciso muito mais que um guarda-roupa ou



closet recheado de grifes famosas e importadas. Muito mais que um belo carro Italiano.



O que faz uma pessoa chique, não é o que essa pessoa tem, mas a forma como ela se comporta perante a vida.



Chique mesmo é quem fala baixo. Quem não procura chamar atenção com suas risadas muito altas,



nem por seus imensos decotes e nem precisa contar vantagens, mesmo quando estas são verdadeiras.



Chique é atrair, mesmo sem querer, todos os olhares, porque se tem brilho próprio.



Chique mesmo é ser discreto,



não fazer perguntas ou insinuações inoportunas,



nem procurar saber o que não é da sua conta.



Chique mesmo é parar na faixa de pedestre.



É evitar se deixar levar pela mania nacional de jogar lixo na rua.



Chique mesmo é dar bom dia ao porteiro do seu prédio e às pessoas que estão no elevador.



É lembrar do aniversário dos amigos.



Chique mesmo é não se exceder jamais! Nem na bebida, nem na comida, nem na maneira de se vestir.



Chique mesmo é olhar nos olhos do seu interlocutor.



É "desligar o radar" quando estiverem sentados à mesa do restaurante, e prestar verdadeira atenção a sua companhia.



Chique mesmo é honrar a sua palavra, ser grato a quem o ajuda, correto com quem você se relaciona



e honesto nos seus negócios.



Chique mesmo é não fazer a menor questão de aparecer,



ainda que você seja o homenageado da noite!



Mas para ser chique, chique mesmo, você tem, antes de tudo, de se lembrar sempre de quão breve é a vida e de que, ao final e ao cabo, vamos todos retornar ao mesmo lugar, na mesma forma de energia.



Portanto, não gaste sua energia com o que não tem valor, não desperdice as pessoas interessantes com quem se encontrar e não aceite, em hipótese alguma, fazer qualquer coisa que não te faça bem.



Lembre-se: o diabo parece chique, mas o inferno não tem qualquer glamour!
( Autor desconhecido)


Achei perfeita essa postagem ( pois fala tudo que penso) e quis dividir com voces.

Beijos em todos

Rosangela.



Porque, no final das contas, chique mesmo é ser feliz!







Investir em conhecimento pode nos tornar sábios... mas amor e fé nos tornam humanos!





quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

A Voz Do Silêncio

Pior do que a voz que cala,

é um silêncio que fala.



Simples, rápido! E quanta força!



Imediatamente me veio à cabeça situações

em que o silêncio me disse verdades terríveis,

pois você sabe, o silêncio não é dado a amenidades.

Um telefone mudo. Um e-mail que não chega.

Um encontro onde nenhum dos dois abre a boca.



Silêncios que falam sobre desinteresse,

esquecimento, recusas.



Quantas coisas são ditas na quietude,

depois de uma discussão.

O perdão não vem, nem um beijo,

nem uma gargalhada

para acabar com o clima de tensão.



Só ele permanece imutável,

o silêncio, a ante-sala do fim.



É mil vezes preferível uma voz que diga coisas

que a gente não quer ouvir,

pois ao menos as palavras que são ditas

indicam uma tentativa de entendimento.



Cordas vocais em funcionamento

articulam argumentos,

expõem suas queixas, jogam limpo.

Já o silêncio arquiteta planos

que não são compartilhados.

Quando nada é dito, nada fica combinado.



Quantas vezes, numa discussão histérica,

ouvimos um dos dois gritar:

"Diz alguma coisa, mas não fica

aí parado me olhando!"



É o silêncio de um, mandando más notícias

para o desespero do outro.



É claro que há muitas situações

em que o silêncio é bem-vindo.

Para um cara que trabalha

com uma britadeira na rua,

o silêncio é um bálsamo.

Para a professora de uma creche,

o silêncio é um presente.

Para os seguranças de um show de rock,

o silêncio é um sonho.



Mesmo no amor,

quando a relação é sólida e madura,

o silêncio a dois não incomoda,

pois é o silêncio da paz.



O único silêncio que perturba,

é aquele que fala.



E fala alto.



É quando ninguém bate à nossa porta,

não há emails na caixa de entrada

não há recados na secretária eletrônica

e mesmo assim, você entende a mensagem



Martha Medeiros

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

O Girassol

Sempre fui uma apaixonada por flores , especialmente as rosas e orquídeas....mas tenho um carinho imenso pelos girassóis.
A forma como eles se movem sempre em direção ao sol é uma prova viva de como deveriamos agir em nossa vida cotidiana.

Muitas vezes nos abalamos tanto com os nossos  problemas diversos, que esquecemos que temos acima de nossas cabeças um dos maiores milagres a nos iluminar e nos mostrar que apesar da escuridão que porventura aconteça , sempre haverá um novo e majesteso sol a brilhar denovo em nosso caminho .

Caminho esse que com certeza tendo de nós uma visão mais otimista e segura , nos fará ver e sentir que o mundo é um constante claro e escuro, sol e noite ,luz e escuridão .

Isso sempre fez parte da existencia do universo desde seu surgimento, e nao seria diferente com nossas emoções e vidas.

Mas a grande maioria dos seres humanos ( infelizmente) não vê os sinais e os milagres que ao nosso redor nos mostra a todo instante que tudo muda o tempo todo .

Nada jamais será igual , a cada segundo tudo muda ...e a cada dia a vida os leva a perceber que é exatamente isso que torna o VIVER INESQUECIVEL .

E voltando ao girassol , que possamos seguir seu exemplo único e maravilhoso de focarmos as nossas vidas sempre olhando para o sol , a luz ,a claridade . E que os tempos escuros , sombrios e pouco iluminados, sejam vistos nao como algo ruim , mas sim uma passagem para que melhor aproveitemos e percebamos a diferença ao nos depararmos com o SOL nosso de cada dia .

Meu caminho agora é esse.
Espero que seja o de cada um de voces tambem.

Beijos e feliz 2011 !!

Rosangela Lessa

Máquinas ou Humanos?

Relendo a famosa frase de Jonh Lennon : "A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos " que me veio a vontade de escreve...